Submarino

segunda-feira, 1 de abril de 2013

A dieta do bom humor (Marvin)

Estou republicando um texto antigo, de fevereiro de 2010, quando Marvin, inspirado por certos problemas de saúde pelos quais eu passei, e que prefiro nem lembrar, foi extremamente solidário comigo e me ajudou a buscar alimentos que pudessem melhorar minha saúde. Aqui está uma síntese dessa pesquisa. Espero que vocês gostem. 

         Misturar nutrientes e alegria não é nenhuma piada. Trata-se de um assunto tão sério que já ocupa centros de pesquisas respeitadíssimos ao redor do planeta. Na Grã-Bretanha, por exemplo, há o Food and Mood Institute, ou Instituto da Comida e Humor, na tradução literal, que, por meio de pesquisas de milhões de libras, soma dados e dados a respeito da influência da dieta nos ânimos.

        Aqui no Brasil também existem estudiosos investigando essa história. É o caso da neurocientista Patrícia Brocardo, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que, inclusive, tem trabalhos publicados no periódico científico internacional Neuropharmacology. Não há dúvida sobre a interferência daquilo que comemos nas variações de humor, afirma.

   Ingredientes vindos do prato são capazes de modular a fabricação de neurotransmissores. O palavrão ao lado, que não tem nada de divertido, tampouco de saboroso, refere-se a um grupo de substâncias químicas responsáveis pela comunicação das células no nosso cérebro. Para que você se sinta feliz, disposto e tranqüilo, é fundamental que esse grupo desempenhe bem o seu papel e esteja em níveis adequados na massa cinzenta. E são três os principais envolvidos com o alto-astral: serotonina, dopamina e noradrenalina. O professor brasileiro Ivan de Araújo, que trabalha com neurociências na Universidade de Yale, nos Estados Unidos, explica que o primeiro é derivado do triptofano e os dois últimos são produzidos com a ajuda da tirosina. Não fique zangado com todos esses nomes. Leia as próximas linhas com calma para saber aonde quero chegar.

Proteínas para sorrir

       Pois bem, o desconhecido triptofano pode estar mais perto do que você imagina. Alimentos como o grão-de-bico, a ervilha, a lentilha e os feijões oferecem boas doses dele. Carnes, peixes, ovos, leite e, ufa!, seus derivados também são fornecedores. Dietas recheadas com essas opções garantem serotonina. O triptofano funciona como os tijolos no processo de montagem molecular do neurotransmissor, compara Araújo. O resultado é uma tendência bioquímica a se sentir feliz. Isso porque a sinalização serotonérgica como os especialistas definem a atuação da substância tem tudo a ver com a regulação do humor. Portanto, se faltam fontes de triptofano no prato, abrem-se brechas para que o dia-a-dia seja cinza, sem a menor graça.

          E a tal de tirosina? Ela também é um aminoácido, ou seja, um pedaço de proteína. E é encontrada na turma mencionada acima. Mas sua relação é bem mais estreita com a dupla dopamina e noradrenalina, que controla as suas reações a estímulos de conteúdo emocional enfim, como vai encarar os sorrisos e as caras feias dos outros no cotidiano, por exemplo. Fica uma lista de alimentos para que você não deixe faltar triptofano, tirosina e carboidratos para o seu organismo:
 - Leite e iogurte desnatados;
 - Queijo branco;
 - Banana;
 - Arroz integral;
 - Batata;
 - Feijão;
 - Lentilha;
 - Abacate;
 - Soja e derivados;
 - Pão integral ou não;
 - Mel;
 - Carne de aves sem pele;
 - Peixes;
 - Grão de bico;
 - Ovos;
 - Ervilha.

(nunca digite "café colonial" no Google)

2 comentários:

Anônimo disse...

Very nice post. I just stumbled upon your weblog and wanted
to mention that I have really enjoyed browsing your weblog posts.
After all I'll be subscribing to your rss feed and I hope you write once more soon!

Here is my blog ... Cooking Simple Vegetables

Marvin (Sérgio Rodrigues) disse...

Thank you for your comment. As soon as possible, we will have new posts on this subject.