Submarino

domingo, 21 de maio de 2017

Perdido

Você já se sentiu inútil no trabalho? Já se sentiu como se aquilo que você faz não tivesse importância? Às vezes parece que o esforço é gasto em coisas inúteis, principalmente se você atua numa empresa que vende serviços e produtos, e sua parte é mais operacional, mais estrutural. A viga de aço fica dentro da coluna e não aparece, mas é o que sustenta o edifício.

Quando trabalhamos em um setor novo para nós, e tentamos aprender tudo desesperadamente enquanto continuamos prestando serviço ao cliente, é mais complicado ainda. Nem sempre as pessoas podem nos ensinar. Já ouvi alguém dizendo que os manuais nos preparam para várias situações, menos para aquelas que vamos realmente enfrentar no dia-a-dia.

Pior ainda que sentir-se inútil no trabalho é sentir-se deslocado na vida. Você já se perguntou em alguma situação "o que estou fazendo aqui?". Já se sentiu deslocado em ambientes onde você é julgado pela maneira como vive, pelo carro que tem (ou até por não ter um carro), pela casa onde mora, pelas escolhas que faz? São muitas as pessoas que só se preocupam com status e cargos, esquecendo-se das coisas boas da vida. Mesmo os mais simples eventos precisam ser cheios de glamour, e cada um tem que tentar impressionar o outro com suas aquisições.

As pessoas "normais" podem não entender, mas é por esses motivos que algumas poucas pessoas se fecham em suas vidas, criam uma casca, um casulo, um canto seguro onde possam viver em paz.

Seria bom se aceitássemos as pessoas independente do que elas têm, da profissão que exercem, do cargo que ocupam, do carro no qual andem ou da casa na qual morem. Seria bom se nos tratássemos uns aos outros com igualdade, considerando que somos somente seres humanos, nada além disso.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

O Keynesianismo

Todos sabemos - creio eu - que há duas principais teorias econômicas que influenciam e moldam o mundo em que vivemos: O Socialismo e o Capitalismo.

O Socialismo, que deveria ser um caminho para o Comunismo, foi teorizado mais profundamente por Karl Marx. É o fim da propriedade privada. É a valorização total do trabalhador. Infelizmente, por culpa do ser humano, o Socialismo não funcionou conforme foi teorizado, pois o homem em sua astúcia sempre quer tirar proveito de tudo, sempre corrompe o sistema, por melhor que o sistema seja.

Já o Capitalismo é a desvalorização do trabalhador. O endeusamento do capital, a sujeição do ser humano à categoria de engrenagem de uma máquina alimentada por suor, que gera lucro para o empregador. E o mais interessante sobre o Capitalismo é que este sistema também não funciona, mas pela influência da mídia paga pelos empresários, e pela manipulação das massas por aqueles que detém o poder econômico, o povo ignorante pensa que o sistema funciona, e se submete à desvalorização de seu próprio esforço de trabalho em troca de um fim de semana de descanso, futebol na TV, algumas cervejas e um churrasco...

Mas lá no começo do século XX um inteligente economista inglês chamado John Maynard Keynes propôs uma nova organização político-econômica que colocava o Estado como agente indispensável na Economia. Keynes afirmava que a Economia não se regula sozinha, conforme o pensamento dos Capitalistas, mas que o Estado deve intervir para proporcionar condições iguais a todos os envolvidos no sistema. Foi o Keynesianismo que salvou os Estados Unidos da crise de 1929, através do New Deal, Roosevelt trouxe o Estado de volta ao crescimento da economia e isso foi condição indispensável para a recuperação do país.

O modelo de Keynes não é a Estatização da Economia - como fizeram algumas potências comunistas -  mas o Estado assume um papel de regulamentação, intervindo na Economia sempre que a ambição desmedida do empregador se esquece das necessidades do trabalhador. Nos países da Europa Setentrional, as ideias de Keynes foram bem aceitas, e geraram o que se chama hoje de Estado do Bem-Estar Social.

No modelo de Keynes, o Estado deve:

- Intervir na Economia, atuando em áreas onde a iniciativa privada não quer ou não tem capacidade para atuar;

- Criar ações politicas voltadas para o protecionismo econômico;

- Parar o Liberalismo Econômico;

- Criar medidas que levem ao pleno emprego, equilibrando a capacidade de demanda e produção, indiferente à ganância dos empregadores;

- Estimular a Economia em momentos de crise;

- Criar políticas fiscais evitando o descontrole da inflação.

Essa interessante teoria - que já se provou excelente na recuperação de países após grandes crises e até mesmo após a Segunda Guerra Mundial - vem sendo barrada pelo Liberalismo Econômico, pelo Capitalismo, pela ganância de empregadores que se dizem "preocupados" com os trabalhadores, mas na verdade só se preocupam com seu bolso. Se você quer conhecer mais sobre o modelo Keynesiano, procure o livro A Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda, publicado pela primeira vez em 1936 por John Maynard Keynes.

sábado, 13 de maio de 2017

Sergei Ivanovich

Sergei Ivanovich é membro integrante da poderosa marinha russa, e nos próximos dias, estará em águas mediterrâneas participando da missão de apoio ao conflito sírio.
 
Ele herdou o nome do criador do famoso rifle russo Mosin-Nagant - (Sergei Ivanovich Mosin) - e sua família já participou de outras missões, trabalhando em navios de guerra russos. Ele é amigo de toda a tripulação do navio, e todos afirmam que ele tornará suas missões no mar mais divertidas.

Autorizado pelo Ministério da Defesa Russo, Sergei embarcará em breve em um dos cruzadores de mísseis guiados "Moskva", onde tocará os sinos do navio. Sergei é um simpático gato de pelo laranja.


quinta-feira, 11 de maio de 2017

Depoimento de Lula

Como o pessoal do Estadão sabe que isso ia virar bagunça, os vídeos do depoimento do ex-presidente Lula não estão abertos para compartilhamento, likes ou "deslikes". Mesmo assim, deixo aqui o link, pois já que é um evento que ficará na história dessa terrinha chamada Brasil, vale o conhecimento dos fatos.


terça-feira, 9 de maio de 2017

Manipulação e privatização

Quebra da Petrobrás, sucateamento dos Correios, enfraquecimento dos bancos públicos, privatização de companhias de água e energia e até mesmo hospitais... o Brasil está sendo fatiado e vendido aos poucos, como sempre foi o plano da "turma da direita".

Não importa se a causa da crise é real ou fictícia, a única saída que alguns políticos sempre apresentam é a venda dos bens públicos. Essa sede de pôr as mãos no que sempre foi público é muito antiga, e os acordos que ocorrem por trás do pano também não são de agora. Há muita gente lá fora - e muitos empresários aqui dentro também - ávidos em abocanhar as empresas públicas, que são sucateadas, desmanteladas e vendidas por muito menos do que realmente valem.

Só os indivíduos de mente pequena não conseguem enxergar que o objetivo da maioria dos políticos que hoje dominam o governo, o congresso e o senado, não é fazer o país "voltar a crescer" e sim, usar a crise como desculpa para vender o que pertence ao Brasil. Ajudaram a criar um cenário propício para que as vendas fossem justificadas, e agora preparam-se para entregar os bens públicos nas mãos da iniciativa privada, fazendo o povo achar que a causa da corrupção que destrói o país são as empresas públicas. Será que ninguém percebeu que o pivô de todo o desvio de dinheiro do qual somos testemunhas é uma empresa privada?

Aqui na cidade onde moro - Lages, SC - até mesmo o hospital está sendo sucateado. Fecharam a ala de Oncologia, pagam miseravelmente seus funcionários e alegam não haver recursos para manter o funcionamento. Tudo isso - de acordo com as conversas que circulam internamente - em preparação para uma privatização.

O povo brasileiro não lê e não estuda, e isso é o que faz com que também não tenha opinião própria. A falta de conhecimento impede que o povo veja o que realmente está ocorrendo no país. A população não pensa por si mesma e precisa que a mídia - que também é corrupta - lhe diga o que pensar e o que fazer. E os políticos querem manter o povo assim - alienado e iludido - para que sua manipulação continue fácil. Povo marcado, povo feliz.

sábado, 6 de maio de 2017

Daniela Greene - você conhece?

Daniela Greene era uma fria e calculista agente do FBI. Ela nasceu na Tchecoslováquia, casou-se com um soldado americano e foi viver nos EUA. Ela então tornou-se tradutora do FBI, divorciou-se e passou a viver a vida sozinha, dedicando apenas ao trabalho.

Em 2014 ela fazia parte de um grupo especial do FBI que estava investigando a vida de Denis Cuspert, rapper alemão que se tornou terrorista do ISIS. E o que Daniela faz? Apaixona-se pelo terrorista, viaja para  a Síria a fim de conhecê-lo e casa-se com ele!

Dois meses depois, a moça percebe que aquela paixão não era tão grande assim,  e mesmo temendo uma condenação, volta para os EUA.

Daniela teve sorte, pois colaborou com a justiça e ficou presa somente dois anos. Hoje ela trabalha em um hotel, e sua identidade é protegida. Os diretores do FBI afirmam que Daniela causou um perigo muito grande para os EUA, e temem que sua história vire filme (he he he), pois isso seria uma vergonha para os protocolos de segurança da instituição.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Feliz Dia do Trabalho - comemorem enquanto podem

No primeiro dia de maio de 1886 trabalhadores americanos fizeram uma paralisação por melhores condições de trabalho. Dois dias após este acontecimento, um enfrentamento com a polícia resultou na morte de vários trabalhadores. A ideia de utilizar o dia primeiro de maio para comemorar o dia do trabalho, ou mesmo protestar por condições melhores espalhou-se pelo mundo desde então.

Hoje, no Brasil, não é preciso armas para deter os trabalhadores. Não é preciso cassetetes nem escudos. Hoje o tipo de ataque mudou. Um homem que chama a si mesmo de presidente, mas chegou ao poder através de um golpe, idealiza uma "reforma" juntamente com sua corja de deputados e senadores, seus ministros e juízes, compra a imprensa - e até mesmo apresentadores que eu nunca achei que se venderiam saem por aí dizendo que a reforma é boa e necessária - e enfia suas novas leis goela abaixo na população brasileira. O povo é manipulado e enganado, acreditando que estamos "evoluindo", acreditando que estamos atrasados em relação ás leis trabalhistas de outros países, mas esquecendo-se que em outros países não existe a corrupção que existe aqui.

Matérias são divulgadas em rede nacional apontando os empresários como "coitadinhos" que são processados em todo tempo por seus funcionários, e isso os impede de "produzir". O que a imprensa não mostra é a opressão que esses mesmos empresários usam contra seus funcionários. Muitos empregadores não dão a seus funcionários nem mesmo o que é de direito. Muitos não concedem nem mesmo vale-transporte. 

O que os políticos querem é honrar seus compromissos com a classe empresária, que comprou-lhes a promessa da reforma trabalhista. O que os empresários querem é colocar os pobres em seu devido lugar. Para eles é necessário haver separação de classes. Os ricos não são ricos se todo mundo tem dinheiro. O rico não aceita o crescimento do pobre. Temer luta contra nossos direitos adquiridos, e quer aumentar o abismo social que havia começado a diminuir.

Os trabalhadores brasileiros não aprenderam que são eles que geram riqueza. Quem move este país não são os empresários, não são os "empreendedores". Quem move este país é você, trabalhador, que levanta cedo, deixa sua família e vai à luta por seu pão. Você não trabalha apenas por seu sustento, cada minuto de trabalho que você gasta, você está construindo a riqueza deste país. Os ricos são ricos graças o que você faz.

Precisamos aprender, precisamos colocar em nossa cabeça que há muito mais trabalhadores que empregadores. Nós somos a força deste país. Os empresários precisam de nós, e não o contrário. Nós temos a força que eles precisam. Não sejamos enganados. O Brasil somos nós. Não permita que joguem fora os direitos que você já tem.