Submarino

domingo, 16 de outubro de 2016

Mas que Inferno! (SPOILERS)

Caríssimos senhores Ron Howard e Dan Brown (sim, eu sei que você fez parte da equipe produtora do filme):

Em primeiro lugar, quero lembrá-los de que se não temos coragem de fazer um filme cuja obra original chama-se Inferno, respeitando esta obra, não há purgatório que resolva.

Se você leu o livro, Ron Howard, deve lembrar que uma das descrições mais insistentes de personagem de Dan Brown é a da doutora Sienna Brooks: cabelos louros presos em um rabo de cavalo, que depois descobre-se que era uma peruca, pois a mesma tinha a cabeça raspada. Não era uma mulher bobinha (que não consegue fechar totalmente a boca, ficando com aquele biquinho irritante de peixe morrendo o filme todo) fingindo inteligência o tempo todo, com cabelos pretos e franja de adolescente indecisa...

A doutora Elizabeth Sinskey no livro é a mulher de longos cabelos prateados, e não GRISALHA! No livro, Robert Langdon acabou de conhecê-la, eles não tem um caso no passado, e não ficam recordando encontros na chuva.

Onde está Christoph Bruder, o violento agente do Suporte ao Monitoramento e Crise (SMI)? Onde está Jonathan Ferris, do Consórcio?  E Vayentha, a assassina? Aquela maluca disfarçada de policial não tem nada a ver com a personagem descrita no livro.

No livro que você escreveu, Dan Brown, Sienna é uma seguidora da causa de Zobrist, mas ela se arrepende no final ao descobrir que o vírus deixaria um terço da população estéril. Ela abre o jogo e é anistiada pela OMS e se dispõe a ajudar Elizabeth Sinskey  a lidar com os problemas decorrentes da contaminação.

O filme termina - não sei se vocês perceberam - TOTALMENTE DIFERENTE  do livro! A ameaça de esterilidade nem sequer é mencionada! Quem não leu o livro nem ficou sabendo do que se tratava o vírus! O que é isso? É o "politicamente correto" em ação? A humanidade não pode perder (mesmo sabendo que um dia vai perder)? No livro o vírus não é contido, porque o Zobrist do livro não era um barbudo idiota namorador, e foi muito inteligente ao liberar o vírus dias antes da chegada de Langdon e da OMS ao local. 

Quando Langdon chega ao local, o vírus já havia se espalhado por todo o planeta, e o câncer conhecido pelo nome de humanidade já estava com seu destino traçado. Nunca mais nasceriam autores que venderiam seus livros para serem alterados e adaptados ao cinema, jogando fora sua história por dinheiro. Nunca mais nasceriam diretores e executivos covardes que mudariam totalmente uma obra, jogando lixo nas telas do cinema para que os leitores da obra original ficassem indignados. ESSE foi o final verdadeiro da história. Bom, vocês devem saber disso, estou aqui apenas para lembrá-los...

Cordialmente,

Sérgio Rodrigues



Sienna "Boca Aberta" Brooks e Dr. Robert Langdon na versão purgatório

Nenhum comentário: