Submarino

sábado, 6 de novembro de 2010

A Internet nos Deixa Mais Burros?

Enquanto estou aqui fazendo o ENEM 2010 junto com a Wanessa Potter (em busca de uma bolsa pra bancar a faculdade que estou fazendo) meu texto está sendo publicado. Incrível a internet, não??? E é sobre ela que quero falar. Você já percebeu como é difícil se concentrar num texto que você está lendo em um site ou blog? Li alguns trechos de um livro de Nicholas Carr, chamado "The Shallows: What the Internet is doing to Our Brains" ("O Superficial: O que a Internet Está Fazendo com Nossos Cérebros?" disponível na Livraria Cultura), que mostra como estamos ficando "mais burros" e perdendo o poder de concentração. Desde seu ensaio Is Google Making Us Stupid? "O Google Está nos tornando Burros?) publicado em 2008, Carr nos mostra uma revolução tecnológica que nos deixa cada vez mais distante dos livros. Leia um trecho de "The Shallows: What the Internet is doing to Our Brains":
"Ainda que a desatenção seja o estado natural do nosso cérebro (resquício de ter que cuidar das crianças, espreitar a caça e se proteger do tigre-dente-de-sabre ao mesmo tempo), nos últimos quinhentos anos conseguimos nos reeducar para realizar atividades intelectuais mais complexas. Tais alterações não ocorrem no âmbito genético, mas através da educação e convivência, moldando o cérebro de acordo com as necessidades específicas de cada indivíduo, cada contexto.

As últimas décadas, porém, parecem ter iniciado a reversão deste processo. Quando uma página de Internet nos bombardeia com banners, pop-ups, cores, sons, vídeos e outras distrações - além dos onipresentes emails, mensagens instantâneas, SMS, BlackBerries e iPhones - está minando nossa capacidade de concentração. Ler um texto com hyperlinks implica perguntar-se constantemente se devemos clicar ou não - e o mesmo vale para banners, pop-ups e etc. Percorrer a tela com um mouse demanda uma atividade motora mais complexa do que virar páginas.

Navegar na Internet requer, portanto, uma série de atividades cognitivas que concorrem com a interpretação e processamento daquilo que se lê. Isto consome, por conseguinte, boa parte da nossa memória de trabalho, dificultando sua posterior transformação em memória de longo-prazo."

O problema da internet é que nos concentramos mais no meio que traz a informação do que na própria informação. Os "e-readers" prometem ser o mesmo que um livro comum, mas à medida que vão incorporando características da rede, os mesmo problemas ocorrerão. Carr continua:

"Esta nova relação com o texto escrito parece não chamar a atenção porque as mudanças foram sutis e graduais. Além disso, procuramos prestar atenção apenas no que lemos - e não na forma como lemos. Mas as publicações de hoje têm mais fotos e menos textos. Quantas páginas de um livro você consegue ler de uma vez? Aliás, você ainda lê livros? E quando foi a última vez que escreveu um texto no papel, sem um editor de textos? Foi fácil?"

Lembro de uma cena do filme "De Encontro com o Amor" onde o velho escritor dá uma máquina de escrever ao seu aprendiz, pedindo que este abandone seu notebook, e lhe diz: "Escrever não deve ser uma coisa fácil... as máquinas de escrever fazem você pensar com mais cuidado sobre as palavras porque não pode apagá-las apertando um botão." Precisamos aprender não só a pensar, mas tambem a filtrar, manter e usar nosso conhecimento. Estamos nos tornando parte deste sistema, meras máquinas programadas a fazer as mesmas coisas, e o pior, de acordo com Carrs, as habilidades que são abandonadas desde cedo (hoje as crianças estão na frente de um computador e deixam de ler livros) são perdidas para sempre. As próximas gerações não terão contato nem intimidade com livros se não revertermos isso. E garanto pra vocês, isso não é evolução. 

Leia tambem uma entrevista interessante com Humberto Eco onde ele fala sobre a importância dos livros.

2 comentários:

silvo disse...

Creoq ue no nos hace más burros, debemos compatibilizar internet con otras actividades, buen fin de semana

Meias de Seda (Suzy) disse...

Marvin, concordo que a leitura em um ambiente virtual é complexa, mesmo porque a grande quantidade de links disponíveis sobre um mesmo assunto acaba nos conduzido a um emaranhado de informações. Por outro lado, é maravilhoso ter essa grande biblioteca mundial ao nosso dispor.
Enfim, como bem disse nosso amigo silvo, devemos conciliar a internet com outras atividades.
Abraços ;)